segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Campanha pela Mamografia Digital Gratuita



O Instituto do Câncer, como todos sabemos, é uma instituição seríssima.
Cabe a nós atendermos sua solicitação e ampará-lo, pois se depender dos governos (federal, estadual e/ou municipal) será seu fim. Vamos salvar o site do câncer de mama? Não custa nada. O Site do câncer de mama está com problemas pois não tem o número de acessos e cliques necessários para alcançar a cota que lhes permite oferecer UMA mamografia gratuita diariamente a mulheres de baixa renda. Demora menos de um segundo, vá ao site www.cancerdemama.com.br e clique no botão cor-de-rosa que diz 'Campanha da Mamografia Digital Gratuita'. Não custa nada e é por meio do número diário de pessoas que clicam, que os patrocinadores oferecem a mamografia em troca de publicidade.

Ajude a divulgar!

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Mitos e verdades sobre a amamentação


No dia 1º de agosto começou a 17ª Semana Mundial da Amamentação, promovida pela Sociedade Brasileira de Pediatria. O objetivo é conscientizar a respeito desse processo tão importante e esclarecer algumas dúvidas. Existe leite fraco? Cerveja preta aumenta a quantidade de leite? O tamanho do seio interfere na amamentação? Existem muitos mitos que rodam o tema amamentação e que, muitas vezes, assombram principalmente as mães de primeira viagem. A nutricionista Cristina Martins, doutora em Ciências Médicas, esclarece alguns mitos e verdades sobre o tema. Ela é autora da cartilha Amamentação: o melhor da natureza para você e seu bebê!, publicado pelo Instituto Cristina Martins de Educação em Saúde.

O leite materno é um alimento completo para os primeiros meses da vida da criança. Verdade. O leite materno é o melhor e mais completo alimento para o bebê, principalmente nos primeiros quatro a seis meses. Ele possui as quantidades apropriadas de todos os nutrientes (carboidratos, proteínas, gorduras e outros) para o bebê, protege contra a desnutrição e, ao mesmo tempo, contra o excesso de alimentação, pois o bebê normalmente suga de acordo com a sua necessidade. Contém ainda anticorpos que melhoram o sistema imunológico da criança.

Se a mãe não se alimentar direito, ela pode ter um leite fraco. Mito. Não existe leite materno “ralo” ou “fraco”. Até uma mãe com desnutrição leve ou moderada é capaz de produzir um bom leite. O que acontece é o que o leite materno é mais aguado que o leite de vaca, mas lembre-se: o leite de vaca foi feito para o bezerro e cada bebê tem seu ritmo de crescer e aumentar de peso.

É possível amamentar gêmeos ou mais de uma criança. Verdade. É tudo uma questão de “oferta e procura”. Quanto mais amamentar, mais leite você terá.

Amamentar deixa os seios flácidos. Mito. Amamentar não deixa os seios flácidos, a não ser que não haja cuidados básicos. A indicação é usar um sutiã de grande sustentação.

Leite materno pode ser congelado. Verdade. O leite materno pode ser guardado na geladeira por até 48 horas ou congelado por até três meses. Essa é uma boa notícia para as mães que precisam retornar às suas atividades profissionais, sem recorrer ao leite industrializado. Para descongelar, o leite deve ser mantido na geladeira ou em água corrente morna. Não se deve deixar em temperatura ambiente nem esquentá-lo no fogão ou microondas. E, é claro, quando estiver com o bebê, a mãe deve aproveitar para amamentá-lo no seio.

A amamentação deve acontecer até o sexto mês do bebê. Mito. Até o sexto mês de vida da criança, o leite materno deve ser o único alimento, mas a amamentação deve continuar até quando a mãe e o bebê desejarem. Várias organizações sugerem que a criança seja amamentada até os dois anos.

Se os seios forem pequenos vão produzir menos leite. Mito. A amamentação bem-sucedida não depende do tamanho ou formato da mama. Os seios grandes têm mais tecido gorduroso do que os pequenos, porém os dois têm um número quase igual de glândulas produtoras de leite.

O tempo de amamentação depende de cada criança. Verdade. Alguns bebês são rápidos e levam de 5 a 10 minutos para mamar. Outros não têm pressa e levam até 40 minutos. A mãe deve continuar amamentando até o bebê perder o interesse, pois é ele, e não o relógio, que vai determinar o tempo suficiente.

Cerveja preta e outros alimentos podem aumentar a produção de leite. Mito. Embora muita gente acredite, a cerveja aumenta a quantidade de leite por ser líquido, assim como a água e o suco. Mas bebidas alcoólicas não devem ser ingeridas, pois o álcool passa rapidamente para o leite e pode ser muito prejudicial ao bebê.

A lactante deve tomar cuidados com a alimentação. Verdade. A lactante deve seguir uma dieta parecida com a que tinha durante a gestação. As principais orientações são: tomar muito líquido – cerca de 8 a 12 copos por dia -; fazer no mínimo três refeições ao dia, intercalando com lanches saudáveis quando houver fome; limitar o consumo de açúcar e gordura e manter uma dieta rica e variada com frutas e hortaliças.

Fonte: http://sentirbem.uol.com.br

quinta-feira, 31 de julho de 2008

Semana Mundial da Amamentação


A Baby Cool aderiu a "blogagem coletiva" durante a Semana Mundial de Amamentação. Durante esta semana publicaremos artigos, vídeos, dicas sobre amamentação afim de promover este ato de extrema importancia para nossos bebês. Participe você também desta ação!

sexta-feira, 4 de julho de 2008

segunda-feira, 2 de junho de 2008

Baby Cool na Revista do Correio

O Filho a Tiracolo

Moda do sling renasce nos ombros das celebridades e ganha força entre mamães e papais comuns. Saiba quais os benefícios para o principal interessado nessa história: os bebês


Maria Fernanda Seixas
Especial para o Correio

Fotos: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
Adeptos do sling, Aline e Felipe, pais de Dan, 1 ano, e Enzzo, 5 meses, enumeram as vantagens: menos cólicas e menos choro

Você teria coragem de pendurar um bebê em um pano amarrado entre sua cintura e seu ombro, e andar com ele, livremente, por aí? O que já era tradição entre tribos indígenas brasileiras, peruanas, bolivianas e mulheres africanas agora é moda entre celebridades como Brad Pitt, Angelina Jolie, Cindy Crawford, Julia Roberts, Sheryl Crow, Kate Hudson e Courtney Cox.

A modinha, desta vez, tem até explicação. A prática do babywear (vestir-se de bebê), com faixas de pano chamadas de sling ou kepinas, proporciona inúmeras vantagens a bebês e pais, dizem adeptos e especialistas.

A bióloga Aline Ramos e o marido Felipe Marangon fazem uso do sling desde que o primeiro filho, Dan — hoje com um ano e meio — tinha apenas três meses de vida. "Uma amiga me contou sobre esses panos e eu na mesma hora já me apaixonei pela idéia. Lembro que a primeira vez que coloquei Dan dentro do sling ele se sentiu tão confortável que dormiu em segundos", conta. Além de usar o acessório para carregar o filho de um lado para outro, Aline conta que a técnica é um antídoto contra as cólicas do filho. "Tanto o Dan quanto Enzzo (segundo filho do casal, hoje com 5 meses) sempre melhoram ao descansarem no sling. Talvez a sensação lembre um pouco a experiência intra-uterina", sugere Aline.

Segundo o pediatra e guru dos pais americanos Bob Sears, responsável pelos livros de puericultura mais vendidos do mundo, o babywear significa mudar a percepção de como os bebês realmente são. "Os pais, muitas vezes, visualizam bebês deitados quietos no berço, passíveis, observando móbiles e carregados apenas para serem alimentados ou para uma brincadeira rápida. O babywear muda essa concepção", descreve o pediatra em seu blog.

As vantagens principais do sling são muitas e abrangem, como acredita Aline Ramos e confirma o pediatra americano, confortos para dores e momentos de choro. "O bebê acaba por chorar menos, pois sente-se acalentado e protegido por mais tempo", elogia Sears.




Fato consumado
Em 1986, tais benefícios puderam ser comprovados quando um time de pediatras da Universidade de Montreal, no Canadá, publicou um estudo com 99 pares de mãe e filho divididos em dois grupos. O primeiro foi encorajado a carregar o bebê por três horas a mais do que estavam acostumados. O outro não. Depois de seis semanas os bebês do primeiro grupo choravam e reclamavam 43% menos que os do segundo grupo.

Ainda de acordo com Sears, antropólogos que viajaram o mundo pesquisando mães que carregam filhos em panos concluíram que os filhos ficam muito mais calmos. "Quando na cultura ocidental mensuramos o choro de um bebê durante um dia em horas, nas culturas que praticam o babywear, mensuramos em minutos. Achamos natural que o bebê chore tanto. Mas em outras culturas, isso não é nada normal", avaliou o pediatra. "Para a saúde emocional, intelectual a fisiológica funcionar otimamente, a presença contínua da mãe, como quando o sling é usado, é uma influêcia necessária", diz Sears. Outra vantagem apontada por pediatras canadenses é que os bebês que são carregados por mais tempo aprendem mais, pois transitam por diversos ambientes, ficam em estado de alerta e observam mais as feições da mãe ou do mundo ao redor, dependendo da posição.

O Brasil na onda
No Brasil, a moda do babywear chega tímida, mas já conquistou muitas mães. A curitibana Halini do Prado, mãe de Lara, 5 meses, só tomou conhecimento da prática quando teve seu segundo filho. "O prazer de ficar juntinho com o filho da gente e não sofrer com dores nos braços é indescritível. Aquele mito que colo deixa criança mal acostumada caiu por terra", avalia.

Para a brasiliense Aline Ramos, o preconceito que algumas mães adeptas do babywear sofrem é normal, pois os slings ainda não são tão comuns no país. Perguntas do tipo "O bebê não vai cair?", ou "Não está esmagando a criança?", não a irritam. "Não tem como sair na rua e passar despercebida com o filho no sling", brinca Aline. "Todas as vezes que eu saio com a Lara no sling sou abordada no mínimo por três pessoas", diz Halini do Prado. Foi graças a tantos interessados que Halini decidiu fabricar seus próprios slings e vender para familiares e amigos. "As pessoas estão se interessando bastante e já vendo alguns para outras cidades. Mas é bom alertar as mães para ter cuidado na hora de comprar um. O sling de qualidade deve oferecer segurança", diz.

Os mais usados e comercializados são os ring-slings, que têm argolas próprias que permitem regular a altura e possibilita diversas posições do bebê. Já o pouch-sling, muito usado nos Estados Unidos e Europa, é uma faixa inteira de pano costurada, e é feito por encomenda, de acordo com o tamanho do adulto que o utilizará. Outro tipo de babywear é a kepina, que não traz costuras. É um pano quadrado, dobrado na transversal em forma de leque. Suas pontas são amarradas no ombro e a terceira ponta sustenta o bebê ao ser encaixada entre a barriga da mãe e do filho.


TEST-DRIVE

A convite da Revista do Correio, a diplomata Viviane Balbino topou experimentar, pela primeira vez, dois tipos de sling e uma kepina, com seu filho Nuno Reifschneider, de 9 meses, e contar como foi a experiência. Segundo Viviane, todos os modelos são válidos, pois cansam menos do que carregar o bebê diretamente no braço. Mas o modelo pouch foi o preferido.



1. KEPINA

"A Kepina é mais complicada de aprender a usar. Exige que o nó seja ajustado conforme a altura, e a ponta do pano deve se encaixar entre as pernas do bebê para segurá-lo. Achei um pouco confuso e o nó me parece incômodo."

2. POUCH SLING
"Achei que este é o modelo mais bonito e prático. Foi o que o Nuno pareceu se adaptar melhor. Ele ficou bem encaixadinho e me senti segura. Simplesmente o sentei no pano e não precisei ajustar nada. Não teve mistério."

3. RING-SLING
"Este modelo é bom por ser ajustável. Posso dividir o sling com o pai, por exemplo. O excesso de pano sobrando não me parecia tão legal, até que vi que na ponta vem um bolsão costurado que pode ser bem prático para carregar coisinhas durante os passeios."


Correio Braziliense, Revista do Correio, 11/05/2008.




quinta-feira, 1 de maio de 2008

Icterícia neonatal, fique alerta!

A icterícia neonatal, vulgarmente conhecida como "amarelão", é muito comum em recém-nascidos nas primeiras 24 ou 48 horas de vida.  A pele amarelada é causada pelo excesso de uma substância, chamada bilirrubina, no sangue. A bilirrubina é um pigmento amarelo gerado pelo metabolismo das células vermelhas no sangue. Quando a capacidade de metabolização
do fígado é menor que a formação de bilirrubina, ocorre a icterícia.  A icterícia neonatal é classificada em duas classes: A Icterícia Fisiológica e a Icterícia Não-fisiológica. A Icterícia Fisiológica acomete 2 a cada 3 recém-nascidos não prematuros (nos prematuros a ocorrência é mais frequente). Normalmente ela desaparece expontâneamente em  poucos dias.  Já a Icterícia Não-fisiológica é, em geral, decorrência da exacerbação dos mesmo mecanismos que causam a Icterícia Fisiológica. Sendo assim, as principais causas estão relacionadas com distúrbios na produção de bilirrubina, da captação hepática, do metabolismo, da excreção e da reabsorção intestinal.  Embora a ocorrência de icterícia neonatal seja comum, ela não deve ser considerada inócua. O excesso prolongado de blirrubina no sangue, pode causar danos ao bebê. Uma vez que a bilirrubina fique impregnada no cérebro da criança pode causar cegueira, paralisia cerebral, alterações sensorias como surdez, etc.  O nível, considerado seguro, de bilirrubina é de 4 a 12 mg/dl. Valores acima dessa média são considerados patológicos e devem ser submetidos a tratamento. O tratamento mais comum para a icterícia é a fototerapia, mas em casos mais graves pode ser necessário até mesmo uma espécie de transfusão de sangue. Essa postagem foi escrita com base em outros artigos encontrados na internet e pelas informações que obtive quando minha filha teve icterícia. Não se trata de uma publicação médica. O intuito é de alertar à todos sobre os riscos oferecidos pela icterícia neonatal, que não deve ser menosprezada e tão pouco tratada com "soluções caseiras" como os famosos" chás de tijolo, picão, entre outros que podem até mesmo causar infecções aos bebês. Se você tiver dúvidas, converse com seu médico.

domingo, 13 de abril de 2008

Chega de Birra!

Para quem assistiu matéria do fantástico com o Dr. Harvey e adorou o que viu, aqui vai mais uma dica do médico. Será o fim dos shows nas lojas de brinquedos, shoppings centers e supermercados? Confira! 
 

terça-feira, 1 de abril de 2008

Nosso site está no ar!


Nosso site acabou de entrar no ar! Convido à todas (e todos!) à visitarem. Ainda estão faltando fotos, mas elas estão em fase de produção. Quero muito ouvir a opinião de
vocês. Dêem sugestões, digam o que acharam. www.babycool.com.br

Adeus às noites de choro.


 
Desde bebê meu filho mais velho, Marcelo, brigava com o sono. Colocar ele para dormir só  se fosse muito bem embrulhado e sob longas sessões de "chacoalho". Mas apenas no "sentido para cima e para baixo", porque o tradicional "para frente e para trás" ele não aceitava! Detalhe, como o ventilador ligado, mesmo em noites mais frescas. Eis que 4 anos depois surge a explicação. No último domingo o programa "Fantástico", da Rede Globo, exibiu uma reportagem super interessante sobre como controlar o choro dos bebês. O segredo: Embrulhar muito bem o pequeno e muito chiado no ouvidinho. Esquisito? Um tanto, mas acredite, funciona! Agora, vamos combinar, para nós adeptas do Baby Sling, não é novidade que bebê adora ficar espremidinho, ?
Confira a reportagem na íntegra. 

quinta-feira, 27 de março de 2008

Banho Cool.


Desenvolvida por Holandeses, a TummyTub é uma banheira terapêutica especialmente elaborada para bebês recém nascidos até os 06 meses de vida. O formato da banheira proporciona aos bebês a posição fetal o que os deixa calmos e relaxados. O plástico transparente favorece a visualização do bebê. Por ser menor que as banheiras convencionais, mantém a temperatura da água por até 20 minutos, além de evitar o desperdício. A TummyTub é sensação na Europa e já está a venda no Brasil (saiba onde encontrar). A má notícia é que custa caro. Em média R$ 150,00. A boa notícia é que uma amiga minha do Orkut improvisou com um balde transparente de 15 litros da Sanremo e deu super certo! Uma TummyTub genérica, 130 reais mais barata, com ótimos resultados e um item a mais: uma alça! saiba mais sobre a TummyTub.

terça-feira, 4 de março de 2008

Um convite à reflexão.

video

Muitas vezes nos preocupamos com o comportamento de nossos filhos. Neste momento, convido a todos à refletirem sobre seu próprio comportamento como homem, como cidadão, como pai e mãe.

domingo, 2 de março de 2008

Dificuldades na Amamentação.

Todo mundo já deve saber que o leite materno é o melhor alimento para os bebês. No entanto, algumas vezes, o desmame precoce acaba ocorrendo por diversos fatores como: bebê com perda de peso, dificuldade para mamar, entres outros. Uma dica legal, é o Indutor de Lactação da Medela. Com ele, as mães podem retirar seu próprio leite com ajuda de um tira-leite manual ou elétrico, e oferecer o leite ao bebê através de uma sonda que fica anexada ao seio. O fluxo liberado pela sonda é semelhante ao fluxo liberado pelo peito quando o bebê suga. Ao contrário das mamadeiras que liberam o leite como muita facilidade, fazendo com que o bebê rejeite o peito posteriormente. O estímulo através da sucção direta no peito, favorece a produção de leite. O preço do produto varia em torno de R$ 160 reais, o que deve ser considerado baixo, se pensarmos que uma lata de leite Nan ou Nestogeno custa em torno de R$ 15,00 e um bebê de 2 meses consome em média 1 lata por semana. Lembrando ainda que esses leites não oferecem os anticorpos presentes no leite materno, o que pode resultar em alergias e infecções. O Indutor também é ideal para mães adotivas.

sábado, 1 de março de 2008

Ciúme entre irmãos.

"A mãe estava na cozinha. O pai havia saído para trabalhar. O bebê estava só, dormindo, em seu berço. A hora era aquela. A oportunidade que tanto esperara. Junior não pensou duas vezes. Adentrou ao quarto da pequena indefesa, munido de sua temível escova de cabelos. Subiu cuidadosamente nas altíssimas grades que ladeavam o berço da irmã caçula e lançou sua "arma" contra a irmã. Infelizmente, para Junior, ele não conseguiu livrar-se da pequena "intrusa", tudo o que conseguira foram alguns gritos e repreensões. O que provara que suas teorias estavam certas, seu reinado de quase 3 anos estava em perigo." 

A história se repete a cada dia. Muitas mães chegam a acreditar que estão criando verdadeiros delinquentes em suas casas. Uma das formas mais comuns de expressão do ciúme infantil é a agressão. O que muitos pais não sabem é que atitudes como a de Junior são perfeitamente normais e muitas vezes, são consequência do comportamento dos pais. Na infância, a tendência do funcionamento cerebral polarizar ideias é muito forte.  Quando a mãe diz que a filha caçula é bonita, logo o mais velho acha que não é. Mesmo que ambas crianças sejam lindas. No fundo, tudo o que nossos pequenos querem é atenção e muitas vezes, sem perceber, deixamos um filho de lado por causa da chegada de outro. Se você está grávida de seu segundo filho e já está pensado em chegar da maternidade com o bebê num braço e um presentinho para o irmão mais velho no outro, saiba que este é um dos equívocos mais cometidos atualmente.  Ao contrário do que os pais imaginam, a criança pode sentir raiva dos pais e aí se estabelece o conflito. Pois além da criança sentir raiva do pais ela ainda sente-se culpada por isso.  A grande dica é deixar a criança expressar o seu ciúme e não ter pressa em dar respostas. Respostas rápidas como: "Eu amo vocês dois igualmente", ao contrário do que se pensa, não ajuda. São os pequenos gestos que fazem a diferença. Reserve sempre um tempo para passar a sós com cada um dos filhos. Neste momento mantenha seu foco nele. Nada de ficar falando sobre o outro irmão, mesmo que a criança puxe esse assunto. Uma boa dica é a prática da shantala, pois além de muitos benefícios, estimula o vínculo mãe-pai/filho. Leia mais sobre ciúme entre irmãos.



quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Shantala.


A Shantala é uma prática milenar oriental trazida para o ocidente pelo médico obstetra francês Frédérick Leboyer. Numa viagem a Caucutá, o médico ficou encantando ao deparar-se com uma jovem mãe que massageava carinhosamente seu bebê. Apesar do cenário de miséria que envolve o povo indiano, Leboyer notou que a criança era bastante sadia. Impressionado com os efeitos da massagem, o médico aprendeu a técnica e batizou-á com o nome da jovem mãe: Shantala. A prática da Shantala fortalece o laço afetivo entre o bebê e os pais. Seu efeito terapêutico, proporciona ao bebê sensações que ele sentia no ventre materno, mantendo o bebê tranqüilo e relaxado, o que resulta em sono estável e redução de ocorrência de cólicas. Os benefícios da massagem são tão notáveis que o Ministério da Saúde tem adotado, na rede pública,  programas de incentivo à prática da Shantala. Uma boa dica, para quem quiser praticar a Shantala em seus bebês, é o DVD Massagem para Bebês e Baby Yoga de Cristina Balzano. Seu preço varia em torno de R$ 35,00.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Sling - Cultura e Compaixão.


HUGS - Help Us Give Slings (Ajude-nos a Doar Slings) nasceu da iniciativa das irmãs Jun-Nicole Matsushita e Yuki-Michelle Matisushita-Peete, duas norte-americacas cujo pai, Masayoshi Matsushita, encontrava-se à trabalho na Indonésia em dezembro de 2005, quando o terrível terremoto e seqüentemente as tsunamis, devastaram o sul da Ásia. Após muitos telefonemas a família descobriu que felizmente Matsushita estava salvo. Na tentativa de auxiliar as vítimas, as irmãs desenvolveram um site para promover a venda de baby slings confeccionados por mães desabrigadas. Os fundos arrecadados, são enviados para ajudá-las na reconstrução de suas vidas. O projeto cresceu e hoje é apoiado por duas instituições não-governamentais em Banda Aceh. Atualmente mais de 1500 baby slings já foram doados para mães necessitadas. Entretanto a cada dia bebês nascem e muitas mães ainda precisam de ajuda.  Clique aqui e saiba mais.

Na telinha da Globo.


No domingo (17/02) foi ao ar no progama Fantástico da Rede Globo, uma matéria sobre uma iniciativa americana de mães que levam seus filhos para o trabalho. A nossa heroína brasileira, pioneira na atitude, estava usando nada mais nada menos que um baby sling, modelo ring sling. Para aqueles que ainda estão em dúvida sobre a utilidade do baby sling, fica registrado mais um ponto para o nosso time! Assista a reportagem.

*****SORTEIO *****

Envie um email para: babycoolbrasil@gmail.com ou poste um comentário neste tópico com seu nome e e-mail e participe do sorteio de um baby sling no dia 31 de março de 2008. A cor do baby sling fica à sua escolha. Quem não for sorteada (o) receberá um bônus de 10% de desconto na primeira compra. Convide seus amigos!


ATENÇÃO PESSOAL! Amanhã é o grande dia! O sorteio será realizado às 21:00 horas (horário de Brasília) através da técnica de última geração para sorteios: nomes no papelzinho! rs. Para o próximo sorteio vou planejar algo pela Loteria Federal. Boa Sorte!!!!

Revista Crescer.


Aos poucos os slings estão ganhando espaço na cultura brasileira. Uma matéria da revista Crescer | Edição abril/07 | listou o baby sling entre as 100 melhores compras para bebês. 

A Mamadeira Perfeita.


Leites em pó, após reconstituídos, contaminam-se muito facilmente. Após o preparo as bactérias começam a multiplicar-se e em cerca de 2 horas podem atingir níveis de contaminação de alto risco para o bebê. Muita calma! É para isso que existe a mamadeira Mix-On-The-Go da Umix. Super prática, você leva dentro da mamadeira o leite em pó e a água. Eles ficam em compartimentos separados que você mistura na hora do preparo. Simples assim! Mamadeira, água e leite em pó num recipiente só. Os preços variam em torno de R$ 27,00. Mas não se esqueçam O LEITE MATERNO É O MELHOR ALIMENTO PARA SEU BEBÊ!

Útero com Vista para o Mundo.


Ao colo da mãe, aconchegado pelo pano, o bebê ouve o seu coração, sente a sua respiração, acompanha o seu movimento. É como se voltasse ao útero materno, mas com uma janela aberta para o mundo. "O bebê torna-se a continuação de nosso corpo. É como se ainda estivéssemos grávidas". É assim que Zélia Évora descreve a sensação de andar sempre com seu filho Rafael no colo, transportando-o num sling.  (Matéria da Revista Pais&Filhos Portuguesa, leia a matéria na integra)

Seja Bem-Vindo!

Bebês são concebidos no ventre materno, protegidos dos perigos do mundo exterior. O momento do nascimento, apesar de mágico para as mamães, é muito difícil para os bebês, pois eles são separados do ambiente seguro ao qual estavam habituados. Daí a primeira reação: choro, muito choro. O uso do baby sling, proporciona ao bebê, as sensações que ele sentia no ventre materno: aconchego, calor do corpo da mãe bem como ouvir as batidas do coração dela, sua voz, seu cheiro, seus movimentos. Todos esses fatores, associados, apresentam muitos benefícios para a mamãe e para o bebê como: redução de cólicas, diminuição da frequência de choro, sono mais tranqüilo, resultando num bebê muito mais feliz. Seja bem-vinda (o) à um grupo de pessoas que acredita que lugar de bebê é no colo da mamãe!